l’amour

Recordo-me de um colega das aulas de dança dizendo a seguinte frase: – Eu não sofro por mulher nenhuma. Estranhamente, costumava ouvir o mesmo de uma companheira que tive: – Eu não sofro por homem nenhum. E esses não são casos isolados. Estou certo de já ter ouvido o mesmo de outros homens e mulheres e, estando eu suscetível ao sofrimento resultante do amor, pergunto-me se me falta a “leveza” ou o “desapego” de que …

Continue lendo →

Experiências à parte

Estamos sempre tentando repetir as experiências boas que tivemos e tentando evitar repetir as ruins. Enquanto esse comportamento faz todo o sentido do mundo, tanto racionalmente quanto instintivamente (afinal de contas, se você tomou choque uma vez, ao colocar o dedo na tomada, é de se esperar que vá tomar na próxima, também), questiono-me se não acabamos o estendendo a coisas complexas demais. Coisas que não têm um resultado só. Por exemplo, se saltarmos (sem …

Continue lendo →

Filosofia de boteco

Trinta ralos convergentes no centro Tem uma roda, Mas somente os vácuos entre os raios É que facultam seu movimento. O oleiro faz um vaso, manipulando a argila, Mas é o oco do vaso que lhe dá utilidade. Paredes são massas com portas e janelas, Mas somente o vácuo entre as massas Lhes dá utilidade – Assim são as coisas físicas, Que parecem ser o principal, Mas o seu valor está no metafísico. ————————————————————— A …

Continue lendo →