“(…)
     Empresas abrem e fecham nos Estados Unidos com uma rapidez cada vez maior. Todo ano, mais de 1 milhão de pessoas no país inauguram algum tipo de empresa. Segundo as estatísticas do Departamento de Comércio, pelo menos 40% delas estão fora do mercado, ao fim de um ano.
     Em cinco anos, mais de 80% – 800 mil, portanto – fecham as portas. (…)
     A propósito: onde você estava antes de abrir a sua empresa? Ou, se ainda pensa em abrir, onde se encontra agora?
     Se é como a maioria das pessoas que conheci, você trabalha para alguém.
     O que fazia?
     Provavelmente, um trabalho técnico, como quase todos os que abrem empresas: carpinteiros, mecânicos, (…) programadores de computador; médicos, (…) ou vendedores. (…)
     Quando a doença do empreendedorismo atacou, não havia mais sossego.
     Você não conseguia se livrar dela.
     Tinha de abrir uma empresa própria. (…)
     Em meio ao sofrimento causado pela doença do empreendedorismo, você foi vítima da mais desastrosa suposição que alguém pode fazer ao entrar no mundo dos negócios. (…)
     Tal suposição fatal é: quem entende o trabalho técnico de uma empresa entende a empresa que faz o trabalho técnico. (…)
     O trabalho técnico de uma empresa e a empresa que faz um trabalho técnico são coisas completamente diferentes! (…)
     Todos acreditam que, por conhecerem determinado trabalho técnico, estão imediata e notavelmente qualificados para administrar uma empresa que realize tal serviço.
     Isso simplesmente não é verdade!
     O conhecimento do trabalho técnico de uma empresa, em vez de ser vantagem para o empresário, representa a sua maior desvantagem.
     Se o técnico não soubesse fazer o trabalho técnico da empresa, teria de mandar fazer, em vez de ‘botar a mão na massa’. (…)
     De repente, o ofício que ele conhecia tão bem se torna uma tarefa a mais, somada a uma dezena de outras tarefas que ele não domina. (…)
     E, de repente, o sonho do empreendedor se transforma no pesadelo do técnico.
(…)”

Identificou-se com algum trecho do texto? Ele faz parte do livro The E-Myth Revisited (O Mito do Empreendedor) de Michael E. Gerber.
Ainda estou lendo o livro, mas pelas primeiras páginas ele parece promissor…