Queria que meu conhecimento sobre “as coisas da vida” aumentasse com o tempo. Que eu aprendesse a aceitar que nada pode ser feito em relação ao sofrimento do outro, especialmente quando ele (o sofrimento) é inerente da nossa própria existência. Queria que nem sempre houvesse um universo em meu espírito.