Pra não dizer que não falei das flores

Honestamente, estou com o saco cheio de toda essa intolerância. Dessa incapacidade em aceitar o outro, o diferente, o divergente e de reconhecer nele capacidade e inteligência equivalentes ou superiores à sua própria. Estou cansado dessa necessidade (quase doentia) de estar “certo”. E estas mesmas características que eu abomino nos outros, encontro-as, uma a uma, em mim mesmo. Sou eu, então, ao mesmo tempo, acusado e acusador. Réu, juiz e carrasco. E aqui, neste lugar …

Continue lendo →

Pequenas gentilezas da vida

Abro a porta do elevador e, enquanto alcanço as chaves no bolso, a luz do corredor se acende. À frente do meu apartamento, uma caixa enorme. Era o fogão que eu encomendara, entregue durante a minha ausência. Mas, a parte mais curiosa ainda estava por vir. Afixada à caixa, havia uma pequena nota, de um dos meus vizinhos. Ele pedia, gentilmente, pela caixa. Queria construir uma casa de papelão para os netinhos. Sorri. Desembalei o …

Continue lendo →

Difícil saber…

Estava eu na fila do supermercado, observando o quanto tem gente espaçosa (folgada) neste País e pensando algo do tipo “- Cada povo merece o governo que tem”, quando uma senhora se aproxima de mim e começa a falar um monte, enquanto balança uma pasta contendo alguns documentos. Obviamente, não entendo lhufas do que ela está a dizer. Só fico com a sensação de que ela está pedindo algo. Olho bem para ela e, meio …

Continue lendo →